"Light" vs "Diet"

"Light" vs "Diet"

"Light" vs "Diet"

 

Pode parecer tudo o mesmo, mas a verdade é que um produto Light é diferente de um produto Diet. Conhece as diferenças?

 

Light: Define-se pela redução de, pelo menos, 30% das calorias e/ou de um determinado nutriente relativamente à versão original do produto em causa. Indicados para controlar a ingestão energética ou de determinado nutriente.

 

Diet (ou produto dietético): Apresenta isenção ou redução extremamente significativa de um determinado nutriente, até ao mesmo se encontrar no alimento numa percentagem de 0,5% ou inferior. Indicados para quem tenha necessidade de restringir o consumo de um dado nutriente.

 

Hoje em dia já se encontram versões zero, principalmente ao nível dos refrigerantes, que indicam a isenção total de determinado nutriente, ou até mesmo de todos os nutrientes e, consequentemente, de calorias.

 

O perigo do consumo deste tipo de produtos prende-se ao facto de causarem a falsa ideia de que podem ser consumidos em maiores quantidades e de forma ilimitada, contrariamente às versões originais. Isto pode ser preocupante por dois motivos:

 

1. “Redução” não é significado de “isenção”. Desta forma, o consumo de produtos light deve ser feito em substituição das versões originais, de forma a beneficiar da redução constante dos produtos, e não em adição ou em maior quantidade, relativamente ao que habitualmente consome das versões originais. Concretizando: se está habituado a ingerir uma fatia de queijo no pão, ao trocar a fatia de queijo por uma fatia de queijo light, beneficia de redução da quantidade de gordura ingerida. No entanto, se troca uma fatia de queijo por duas de queijo light, pode estar a ingerir uma quantidade de gordura superior àquela que ingeriria numa única fatia da versão original do queijo.

 

2. A “isenção” ou “redução” extremamente significativa de um nutriente num produto diet costuma surgir associada ao aumento da quantidade de outro nutriente, de forma a alterar o mínimo possível características organolépticas como o sabor, a consistência, a textura, etc. Exemplificando: as bolachas dietéticas, em geral, apresentam isenção dos valores de açúcar, mas apresentam valores de gordura muito elevados, relativamente às bolachas originais. Se for diabético, o seu consumo pode ser benéfico, uma vez que apresenta necessidades bastante restritas ao nível do açúcar. Mas, se só quiser controlar o peso, terá vantagem em diminuir o consumo de açúcar, aumentando bastante a ingestão de gordura? Tenha em atenção que, como estas “compensações” em termos de nutrientes são frequentes, é raro haver diminuição do valor energético destes produtos. Pelo contrário, é comum encontrar-se produtos diet contendo mais calorias que as versões originais.

 

O melhor a fazer será, sempre, comparar os rótulos. Faça a comparação por 100g e não por porção, uma vez que é comum que a porção referida no rótulo dos produtos light e diet seja menor que a porção indicada no rótulo da versões originais, não sendo verdadeiramente comparável.

 

De qualquer forma, há alguns alimentos cujo consumo da versão light compensa. Esta premissa é especialmente fiável para o leite e derivados. Já o consumo de produtos light como compotas, geleias, bolachas, barras de cereais e refrigerantes, deve ser feito após comparar os rótulos destas versões com as versões originais, de forma a confirmar que não possuem nenhum nutriente em quantidades superiores.

 

Não esqueça que o consumo destes produtos deve ser feito em substituição, e não em maiores quantidades do que habitualmente ingere das versões originais.

 

Na dúvida, consulte um profissional de nutrição, que possa ajudar na tomada de decisão.