Sementes de cânhamo

Sementes de cânhamo

Sementes de cânhamo

O  mundo das sementes é imenso e a procura por estes alimentos, com vista adopção de um estilo de vida saudável e prevenção de inúmeras doenças, é cada vez maior. Neste artigo falamos-lhe das sementes de cânhamo, um dos alimentos mais nutritivos da natureza.

 

O que são as sementes de cânhamo

O Cânhamo (Cannabis ruderalis) é uma das plantas mais antigas da civilização, oriunda da Ásia, e corresponde a uma variedade das planta cannabis, com uma ampla aplicação industrial, com destaque para o uso têxtil, papel, forragem animal, óleos, resinas e alimentação humana.

De referir que a sua utilização na alimentação é segura, uma vez que a legislação estipula a remoção da presença do psicoactivo tetraidrocanabinol (THC) ou estabelece limites máximos de concentração.

 

Propriedades nutricionais

Consideradas por muitos como um super-alimento, as sementes de cânhamo apresentam propriedades nutricionais que as tornam num alimento de excelência na promoção da saúde. O seu sabor é comummente apreciado, similar ao sabor das oleaginosas como a noz, é doce e ligeiramente fumado.

 

De entre as suas propriedades nutricionais, destaca-se o elevado teor em proteína (mais de 30%); a sua proteína é completa, pelo que, à semelhança das fontes de proteína animal, é fornecedora de aminoácidos essenciais (aminoácidos que o corpo não é capaz de sintetizar) em proporções e quantidades suficientes para atender às necessidades do organismo. Por este motivo, as sementes de cânhamo são um excelente alimento para desportistas, veganos e vegetarianos. A sua digestibilidade é elevada, sendo mesmo superior quando comparada à proteína de soja e à proteína animal (carne, peixe, ovos), e não contem glúten, pelo que pode ser integrada na alimentação de doentes celíacos e intolerantes o glúten.

 

As sementes de cânhamo são ricas em ácidos gordos (gorduras), que contribuem para próximo de de 50%  do seu peso. Destas gorduras, 80% são ácidos gordos essenciais (ómega 3 e 6 na proporção 1:3, ideal para a saúde), com destaque para o acido linoleico e alfa-linoleico, de tal forma que uma colher de sopa (15 g) de óleo de cânhamo por dia é suficiente para suprir as necessidades diárias de óleos essenciais do organismo humano. Os ingestão diária adequada de ácidos gordos essenciais é fundamental para o normal metabolismo energético, a saúde da pele, cabelo e unhas, a prevenção de doenças cardiovasculares (redução dos níveis sanguíneos do “LDL-colesterol”, o mau colesterol e elevação dos níveis de HDL-colesterol, o “bom colesterol”), a redução do risco de cancro da mama, o tratamento de depressões e ainda alívio dos sintomas indesejáveis pré-menstruais e da menopausa.

 

Fonte de fibra e de baixo teor de hidratos de carbono, as sementes de cânhamo são por isso muito úteis em regimes de emagrecimento e na prevenção e/ou controlo da diabetes, ajudando a saciedade  e a estabilização dos níveis de açúcar no sangue (glicémia)

As sementes de cânhamo são também excelente fonte de compostos antioxidantes, minerais, entre os quais fósforo, cálcio, magnésio e ferro, vitaminas A, C, D , E,  riboflavina, tiamina e niacina.

 

Utilização como alimento

As sementes de cânhamo cruas podem, tal como as demais sementes, ser adicionadas a uma variedade de alimentos, desde saladas, sopas, batidos, iogurtes, bolos e biscoitos. De salientar que consumir as sua sementes cruas é a melhor forma de tirar o máxima absorção dos seus valiosos nutrientes, sem que ocorram perdas nutricionais.

É também utilizado o óleo de cânhamo, podendo substituir, com benefício para a saúde, qualquer outra gordura. Outra maneira de consumir as sementes de cânhamo é através da bebida (“leite”) de cânhamo, preparado facilmente a partir das sementes descascadas. Das suas sementes pode, ainda, fazer-se chá ou deixar-se a germinar, podendo ser consumidas como rebentos.

 

:: ARTIGOS RECOMENDADOS PARA SI

 

cebola1.jpg mel Figo